Inteligência Artificial foi temática de workshop - Notícias - Diligência - Credibilidade em informação jurídica

Notícias

Inteligência Artificial foi temática de workshop

Jurídicas 08/11/2019
Inteligência Artificial foi temática de workshop

Inteligência Artificial foi temática de workshoppromovido pela Corregedoria

Na tarde desta quinta-feira, 7/11, foi realizado no Palácio da Justiça workshop sobre Inteligência Artificial, ministrado pelo Procurador Federal da Advocacia-Geral da União Mauro Lúcio Baioneta Nogueira e pelo Diretor de Tecnologia da Informação do TRF4, Cristian Ramos Prange. Promovido pela Corregedoria-Geral da Justiça (CGJ), a palestra apresentou a temática da Inteligência Artificial, suas técnicas, impactos e mudanças no futuro, com ênfase, no universo do Direito. O evento teve a presença da Desembargadora Denise Cezar, Corregedora-Geral da Justiça, e foi destinado a servidores e magistrados.

A Assessora Especial do Processo Eletrônico da CGJ, Sheron Menezes, deu boas-vindas aos presentes, ressaltando a importância de debater o tema que irá, futuramente, definir as demandas do Judiciário.

Evento ocorreu no Palácio da Justiça(Fotos: Eduardo Nichele)

Na sua explanação, Mauro Nogueira fez uma análise da chegada do eproc no Judiciário e da importância da Inteligência Artificial (AI) na automação de processo, para acelerar as demandas jurídicas. Relembrou como surgiu a ideia da AI, como também alertou sobre o que é de fato uma inteligência artificial e o que não é.  Projetou futuro na forma de trabalho dos magistrados frente às técnicas e ferramentas da Inteligência Artificial e de outras profissões - inclusive citando a extinção de algumas funções e empregos. Também fez um breve histórico de como surgiram as técnicas de IA. "Por uma questão mercadológica falam muito de IA e, na verdade, nem tudo é Inteligência Artificial. Ela é tudo que se aproxima daquilo que o homem faria para resolução de um problema", explicou.

"E digo mais: da IA não aparecem somente soluções, mas também dilemas relevantes. É assim que funciona, nessa forma de dialética." Dando continuidade, analisou o Direito diante de suas matérias complexas, linguagens e seus propósitos. Baseado nisso, ressaltou o apoio à produção jurídica e os subsídios, como por exemplo, no contexto da edição de um documento.

Cristian Prange e Mauro Nogueira foram os palestrantes

Em seguida, passou a falar o Diretor de Tecnologia da Informação do TRF4, Cristian Ramos Prange. Em sua fala, refletiu sobre o porquê da temática a ser discutida no Judiciário. Fez uma análise da Inteligência Artificial junto com o eproc. Exemplificou o auxílio na triagem por agrupamento de processos com sentenças similares e automatização na execução fiscal. Também mostrou o cenário atual relacionado à temática de IA com seus sistemas implantados nos tribunais do país. Ao final, destacou a importância da organização em setores para fomentar o uso da tecnologia. "É necessário trilharmos o caminho adequado da Inteligência Artificial porque, assim, vamos qualificar a experiência do nosso usuário e de todo mundo que utiliza o eproc", encerrou.

Por fim, magistrados e servidores expuseram suas dúvidas quanto à ferramenta.

Integrantes da CGJ e da DITIC participaram

Participaram do workshop as Juízas-Corregedoras Rosana Broglio Garbin (Coordenadora), Clarissa Costa de Lima, Geneci Ribeiro de Campos, Eloísa Hernandez, Nara Saraiva e Rosane Bordasch, os Juízes-Corregedores André Vorraber Costa e André Luís de Aguiar Tesheiner, o Desembargador Ricardo Pippi Schmidt, o Diretor-Geral do TJRS Ivandre Medeiros, O Diretor do da Direção de Informática e Tecnologia da Informação (DITIC) do TJ, Luís Felipe Schneider, servidores da CGJ e de Departamentos do Tribunal.

Currículo dos palestrantes

Mauro Lúcio Baioneta Nogueira é Procurador Federal da Advocacia Geral da União com Especialização em Direito e Economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Também especialização em Direito Internacional Público e Privado (2011) e Bacharelado em Ciências Jurídicas e Sociais (2002) pela UFRGS. Graduado em Ciência da Computação pela Universidade Federal de Minas Gerais (1994) e Mestre em Ciência da Computação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1998). Atualmente é Procurador Federal da Advocacia-Geral da União (AGU), atuando como assessor junto ao Departamento de Gestão Estratégica deste Ente e sendo um dos responsáveis pelo desenho de suas soluções de TI. Cristian Ramos Prange é Diretor de Tecnologia da Informação do TRF4, bacharel em Ciências de Computação/UFRGS. Mestre em Ciências de Computação/UFRGS. Possui especialização (MBA) em Gerenciamento de Projetos pela FGV. Trabalha no TRF4 desde 1998 e é Diretor de Tecnologia da Informação do TJRS, desde 2009.

EXPEDIENTETexto: Fabiana FernandesAssessora-Coordenadora de Imprensa: Adriana Arendimprensa@tj.rs.gov.br 

Publicação em 07/11/2019 20:38Esta notícia foi acessada 35 vezes.

Fonte: Tribunal de Justiça do Estado do do Rio Grande do Sul

© Diligência.com.br
competente, confirma , sentença, indenizar, indenização, turma, mandado de segurança, recorreu da sentença, Conselho Regional, Colegiado, desocupação , Defensoria Pública da União, DPU, Ministério Público Federal , MPF, Advocacia-Geral da União , AGU, Caixa Econômica Federal , CEF, Departamento Nacional de Infraestrutura , DNIT, Departamento de Estradas e Rodagem , DER, DNER, PFE, Data do julgamento, Publicação no diário oficial , Servidores públicos , aquisição de estabilidade, condenação, condena, condenado, recorrente , recorrido, constituição federal, aposentadoria por invalidez, AIDS, portador, cardiopatia, imposto de renda, IR, Fazenda Nacional , apelante, princípios da razoabilidade e da proporcionalidade, união , agravo de instrumento, adicional de férias, polo passivo, interesse processual , processamento e julgamento, pensões e aposentadorias, pensão, aposentadoria, competência, demandante, descumprimento da obrigação, sentença penal , unânime, provimento, aposentadoria especial, tempo de serviço, tempo de contribuição, julgou procedente, autarquia , Instituto Nacional do Seguro Social , INSS, CTPS, impetrante, ajuizamento da ação, serviço especial , ANP