Juiz suspende efeitos da Lei Estadual que determina que o Ceulp/Ulbra reduza mensalidades em razão da Covid-19 - Notícias - Diligência - Credibilidade em informação jurídica

Notícias

Juiz suspende efeitos da Lei Estadual que determina que o Ceulp/Ulbra reduza mensalidades em razão da Covid-19

Jurídicas 27/06/2020
Juiz suspende efeitos da Lei Estadual que determina que o Ceulp/Ulbra reduza mensalidades em razão da Covid-19
Titular da 1ª Vara de Feitos da Fazenda e Registros Públicos, o juiz Roniclay Alves de Morais suspendeu, liminarmente, nesta sexta-feira (26/6), os efeitos da Lei n.º 3.682/20, determinando que "todas as instituições privadas de ensino do Estado do Tocantins a redução de suas mensalidades durante o período de suspensão das atividades educacionais, decretada por ato do chefe do Poder Executivo Estadual".
O deferimento do pedido de Tutela de Urgência ocorreu na Ação Declaratória Cumulada com a Obrigação de Não Fazer, proposta pelo Centro Universitário Luterano de Palmas (Ceulp/UIbra) contra o Estado do Tocantins e o Município de Palmas, sob o argumento que a referida lei é inconstitucional.
"Entendo assim que necessário se faz, nesta quadra processual, a concessão ao pedido de Tutela de Urgência", afirmou o magistrado em sua decisão, segundo ele pela "relevância dos argumentos apresentados de que pode haver a constatação de que não cabe ao Estado Legislar sobre matéria de competência exclusiva da União, ou seja, sobre direito civil, violando a segurança jurídica, a livre iniciativa e invadindo a gestão financeira e patrimonial das instituições entre outros, além do claro perigo a saúde financeira da requerente".
Com base em vários julgados,entre os quais do Supremo Tribunal Federal (STF), o  juiz Roniclay Alves de Morais declarou a a inaplicabilidade da Lei n.º 3.682/20  em "razão da sua patente inconstitucionalidade" e determinou que os requeridos deixem de de praticar "qualquer ato fiscalizatório ou sancionatório com fundamento no art. 5º da referida Lei até o julgamento final da presente demanda, sob pena do pagamento de multa diária em desfavor da parte autora".
Nos autos, entre outros pontos, o Ceulp/UIbra garantiu que "as instituições de ensino adotaram o chamado ensino remoto para substituição da aula presencial, resguardando a continuidade do conteúdo já iniciado". Nesse cenário, argumentou que "a redução dos preços das mensalidades, com base em argumentos simplistas e desconexos à realidade, poderá ensejar consequências nefastas às instituições".
Confira a decisão aqui.
Texto: Marcelo Santos Cardoso
Comunicação TJTO

 

Fonte: Tribunal de Justiça do Estado do Tocantins

© Diligência.com.br
competente, confirma , sentença, indenizar, indenização, turma, mandado de segurança, recorreu da sentença, Conselho Regional, Colegiado, desocupação , Defensoria Pública da União, DPU, Ministério Público Federal , MPF, Advocacia-Geral da União , AGU, Caixa Econômica Federal , CEF, Departamento Nacional de Infraestrutura , DNIT, Departamento de Estradas e Rodagem , DER, DNER, PFE, Data do julgamento, Publicação no diário oficial , Servidores públicos , aquisição de estabilidade, condenação, condena, condenado, recorrente , recorrido, constituição federal, aposentadoria por invalidez, AIDS, portador, cardiopatia, imposto de renda, IR, Fazenda Nacional , apelante, princípios da razoabilidade e da proporcionalidade, união , agravo de instrumento, adicional de férias, polo passivo, interesse processual , processamento e julgamento, pensões e aposentadorias, pensão, aposentadoria, competência, demandante, descumprimento da obrigação, sentença penal , unânime, provimento, aposentadoria especial, tempo de serviço, tempo de contribuição, julgou procedente, autarquia , Instituto Nacional do Seguro Social , INSS, CTPS, impetrante, ajuizamento da ação, serviço especial , ANP