Justiça Federal proíbe táxis de entrar no Parque Nacional do Iguaçu - Notícias - Diligência - Credibilidade em informação jurídica

Notícias

Justiça Federal proíbe táxis de entrar no Parque Nacional do Iguaçu

Jurídicas 03/07/2012
Justiça Federal proíbe táxis de entrar no Parque Nacional do Iguaçu

 

Uma decisão da Justiça Federal proibiu a entrada de táxis e carros de empresas de turismo no Parque Nacional do Iguaçu, em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná. O parque abriga, entre outras atrações, as Cataratas do Iguaçu. Segundo a decisão, apenas carros da empresa que administra o parque, a Cataratas S.A., poderão levar turistas ao local.
 
Os únicos veículos de transporte que estão autorizados a passar pela entrada do parque são aqueles que fazem entregas ao Hotel das Cataratas e ao restaurante Porto Canoas. Ainda de acordo com a decisão, o transporte de turistas, da entrada do parque, até a hospedagem, será de responsabilidade do hotel. A determinação da Justiça começa a valer a partir do dia 1º de agosto.
 
A sentença da Justiça fez foi motivo de indignação para os taxistas e donos de empresas de turismo. Eles alegam que isso traria problemas ao turismo da região. “De madrugada, o Hotel das Cataratas chama vários taxis para trazer as pessoas até o aeroporto e como que vai ser? De que forma vai ser?”, questiona Valdumiro Garcia da Rocha, diretor-presidente da cooperativa de taxis da cidade.
 
Retrocesso
 
Para o sindicato dos guias de turismo, a decisão da Justiça representa um retrocesso. “Estamos andando para trás com o turismo na nossa cidade. Estão querendo simplesmente, proibir, o guia e o agente de viagens de atuar. (...) Nós estamos nos sentindo roubados, num espaço que sempre foi nosso”, afirma Sidnei dos Reis, presidente do sindicato.
 
A Secretaria Municipal de Turismo afirma que irá recorrer da decisão. Para o secretário Felipe Gonzales a sentença irá representar prejuízos aos setores afetados. “Inclusive, solicitando um prazo maior, se for o caso para que seja feita a acomodação operacional no Parque Nacional”, diz Gonzales.
 
A direção do parque também pretende recorrer da determinação. “Essa decisão judicial, ela afeta praticamente 20% dos serviços que são feitos dentro do parque, com turistas e hóspedes do Hotel das Cataratas”, afirma o diretor do parque Jorge Pegoraro. Para ele, a decisão pune também a administração do parque e os empresários, que estabelece multa em caso de descumprimento da ordem.
 
Protestos
 
Em 2009, centenas de taxistas protestaram em frente à entrada do Parque. Na época, uma decisão parecida, tomada pela direção do Parque, causou a revolta da classe.
 
Fonte: G1

Fonte: G1

© Diligência.com.br
competente, confirma , sentença, indenizar, indenização, turma, mandado de segurança, recorreu da sentença, Conselho Regional, Colegiado, desocupação , Defensoria Pública da União, DPU, Ministério Público Federal , MPF, Advocacia-Geral da União , AGU, Caixa Econômica Federal , CEF, Departamento Nacional de Infraestrutura , DNIT, Departamento de Estradas e Rodagem , DER, DNER, PFE, Data do julgamento, Publicação no diário oficial , Servidores públicos , aquisição de estabilidade, condenação, condena, condenado, recorrente , recorrido, constituição federal, aposentadoria por invalidez, AIDS, portador, cardiopatia, imposto de renda, IR, Fazenda Nacional , apelante, princípios da razoabilidade e da proporcionalidade, união , agravo de instrumento, adicional de férias, polo passivo, interesse processual , processamento e julgamento, pensões e aposentadorias, pensão, aposentadoria, competência, demandante, descumprimento da obrigação, sentença penal , unânime, provimento, aposentadoria especial, tempo de serviço, tempo de contribuição, julgou procedente, autarquia , Instituto Nacional do Seguro Social , INSS, CTPS, impetrante, ajuizamento da ação, serviço especial , ANP