Aplicativo Adoção completa 01 ano auxiliandoa mudar perfil desejado pelos adotantes - Notícias - Diligência - Credibilidade em informação jurídica

Notícias

Aplicativo Adoção completa 01 ano auxiliandoa mudar perfil desejado pelos adotantes

Jurídicas 09/08/2019
Aplicativo Adoção completa 01 ano auxiliandoa mudar perfil desejado pelos adotantes

Aplicativo Adoção completa 01 ano auxiliandoa mudar perfil desejado pelos adotantes

No primeiro ano, por meio do app, foram concretizadas 04 adoções.Outras 11 estão em aproximação ou guarda provisória(Arte: Imprensa TJRS)

Há 1 ano, era lançado o Aplicativo Adoção. Mais do que a implantação de uma ferramenta tecnológica, a parceria entre Poder Judiciário, PUCRS e Ministério Público Estadual, que humaniza a busca a aproximação de pais e filhos adotivos, representa a possibilidade de nascimento de uma família. Encontros que, provavelmente, sem a 'forcinha' da tecnologia, jamais teriam a oportunidade acontecer.

Com a missão de impulsionar as adoções de difícil colocação (crianças a partir dos 7 anos, adolescentes, grupos de irmãos e jovens com deficiência), o app vem conseguindo ajudar a flexibilizar o perfil descrito pelos pretendentes - o dos bebês e crianças de até 6 anos - no que se refere à idade, aumentando a média desejada de 8 para 13 anos. Quatro adoções já foram concretizadas e outras 11 estão em aproximação ou guarda provisória.

Para a Corregedora-Geral da Justiça, Desembargadora Denise Oliveira Cezar, a ferramenta tem diferentes simbologias: "A primeira delas é a transparência, a maximização das possibilidades de encontros entre acolhidos no RS e habilitados de todo o país. A outra, se refere ao aprimoramento tecnológico das nossas atividades. Com a inclusão de mídias, de novas formas de comunicação, há a modernização e o compromisso de uma sociedade mais tecnológica, atendendo a essa vertente inexorável das comunicações humanas", avalia a magistrada.

A Juíza-Corregedora Nara Cristina Cano Neumann Saraiva, titular da Coordenadoria da Infância e Juventude do RS (CIJRS), destaca a humanização do processo: "O Aplicativo é um marco na adoção tardia porque altera o procedimento da adoção, no sentido de que, até a sua chegada, o pretendente não tinha a imagem da criança ou do adolescente. Ele simplesmente declinava o perfil desejado, de regra, recém-nascidos e crianças pequenas. A partir do momento em que visualiza a imagem e o vídeo, surge nele o desejo de conhecer e, consequentemente, flexibiliza o perfil."

Há 614 crianças e adolescentes aptos para adoção no Rio Grande do Sul. Em contrapartida, a fila dos que desejam adotar tem 5,5 mil pretendentes já habilitados pelo Cadastro Nacional de Adoção (CNA). A conta não fecha porque 90% buscam crianças de até 6 anos, mas 88% delas têm entre 11 e 17 anos.

Aplicativo humanizou processo de adoção

Ao disponibilizar imagens com depoimentos, fotos, cartas e desenhos, o Aplicativo Adoção deu rosto, movimento e emoção às crianças e adolescentes disponíveis no CNA, cujas informações, antes, se limitavam a uma tabela com dados básicos, como iniciais dos nomes, idade, condições de saúde e se tinham irmãos. As esperanças dos pretendentes também aumentaram, na medida em que a ferramenta está disponível para todo o país.

Dados da CIJRS apontam que, nesse último ano, a maior mudança nos perfis desejados se refere à idade: a média pretendida no CNA era de 8 anos e, com a chegada do Aplicativo Adoção, passou para 13 anos.

Dados apontam que, nesse último ano, a maior mudançanos perfis desejados se refere à idade:média pretendida no CNA era de 8 anose, com a chegada do Aplicativo Adoção, passou para 13 anos

Até o momento, quatro adolescentes foram adotados. Das 147 manifestações de interesse ativas, quatro estão em aproximação com os pretendentes e outros sete em guarda provisória. "Isso resulta uma possibilidade concreta de 15 adoções no período de 1 ano. Temos 231 incluídos no app, com a possibilidade de incluir um total de 614, o que vai contribuir para um maior número de resultados. A nossa avaliação é extremamente positiva. Pelos números do app, mas também pela flexibilização do perfil desejado pelos pretendentes¿, afirma a Juíza-Corregedora Nara Saraiva.

"O problema maior era justamente a flexibilização da idade. E o app alcançou o seu objetivo maior: usar a tecnologia para aproximar as pessoas por meio de depoimentos, imagens, escritos autênticos. Nada ali é forjado. Tudo é real. Apenas o meio é que é tecnológico", conclui a Desembargadora Denise.

O Aplicativo Adoção foi concebido em parceria com a PUCRS e o Ministério Público Estadual. O protótipo foi projetado por professores da Apple Developer Academy e desenvolvido por alunos do curso de Desenvolvimento de Softwares, da Faculdade de Informática da universidade. Já a implementação do software ficou a cargo da Direção de Tecnologia da Informação e Comunicação (DITIC) do TJRS. A ferramenta está disponível para os sistemas Android e iOS, tendo mais de 5.030 downloads ativos sendo 2.634 iOS e 2.396 Android.

Campanha impulsionou adoções

O Aplicativo Adoção está inserido na campanha Deixa o amor te surpreender, que, desde 2016, vem dando visibilidade à questão. Em 2017, 311 jovens foram adotados no Rio Grande do Sul. O número aumentou para 425 no ano seguinte e, até o primeiro semestre de 2019, outros 228 também formaram novas famílias.

As iniciativas para que esse número aumentasse, são várias. Além do próprio app, a CIJRS promove o Dia do Encontro, uma tarde lúdica que aproxima jovens aptos a adoção e pretendentes habilitados no Cadastro Nacional de Adoção (CNA). Em 2019, lançou o Adote um pequeno torcedor, tchê, versão gaúcha do projeto idealizado pelo Judiciário de Pernambuco, unindo o Sport Clube Internacional e o Grêmio Foot-Ball Portoalegrense. E, no ano passado, formou parceria com a RBS TV na campanha Adote um destino.

Na Capital, onde há 213 crianças e adolescentes para adoção, a Corregedoria-Geral da Justiça instalou mais um Juizado e destinou mais um magistrado, com o objetivo de agilizar os processos da Infância e Juventude e priorizar o atendimento na área. Já os adolescentes ganharam voz, ao participarem do Comitê de Participação de Adolescentes Acolhidos na Justiça (CPAAJ).

Para mais informações, acesse: http://www.tjrs.jus.br/app-adocao/

EXPEDIENTETexto: Janine SouzaAssessora-Coordenadora de Imprensa: Adriana Arendimprensa@tj.rs.gov.br 

Publicação em 09/08/2019 12:58Esta notícia foi acessada 103 vezes.

Fonte: Tribunal de Justiça do Estado do do Rio Grande do Sul

© Diligência.com.br
competente, confirma , sentença, indenizar, indenização, turma, mandado de segurança, recorreu da sentença, Conselho Regional, Colegiado, desocupação , Defensoria Pública da União, DPU, Ministério Público Federal , MPF, Advocacia-Geral da União , AGU, Caixa Econômica Federal , CEF, Departamento Nacional de Infraestrutura , DNIT, Departamento de Estradas e Rodagem , DER, DNER, PFE, Data do julgamento, Publicação no diário oficial , Servidores públicos , aquisição de estabilidade, condenação, condena, condenado, recorrente , recorrido, constituição federal, aposentadoria por invalidez, AIDS, portador, cardiopatia, imposto de renda, IR, Fazenda Nacional , apelante, princípios da razoabilidade e da proporcionalidade, união , agravo de instrumento, adicional de férias, polo passivo, interesse processual , processamento e julgamento, pensões e aposentadorias, pensão, aposentadoria, competência, demandante, descumprimento da obrigação, sentença penal , unânime, provimento, aposentadoria especial, tempo de serviço, tempo de contribuição, julgou procedente, autarquia , Instituto Nacional do Seguro Social , INSS, CTPS, impetrante, ajuizamento da ação, serviço especial , ANP