Caso Bárbara Penna: réu é condenado - Notícias - Diligência - Credibilidade em informação jurídica

Notícias

Caso Bárbara Penna: réu é condenado

Jurídicas 04/09/2019
Caso Bárbara Penna: réu é condenado

Caso Bárbara Penna: réu é condenado

(Imagem meramente ilustrativa. Arte: Imprensa/TJRS)

No início desta noite, João Guatimozin Moojen Neto foi condenado pelos jurados da Capital. Pena aplicada é de 28 anos e quatro meses de reclusão em regime inicial fechado. O réu não poderá recorrer em liberdade.

O acusado foi inocentado pela morte do vizinho, que faleceu tentando auxiliar as vítimas. Jurados declararam ainda a semi-imputabilidade do réu em relação aos crimes de homicídio contra as crianças.

A sentença foi proferida pelo Juiz Paulo Augusto Oliveira Irion, após dois dias de julgamento na 3ª Vara do Júri do Foro Central de Porto Alegre.

O réu foi acusado pela tentativa de matar a ex-parceira, Bárbara Penna de Moraes Souza, pela morte dos dois filhos dela - um em comum -, de três meses e dois anos, e de um homem, de 79 anos.

Atuaram no julgamento o Promotor de Justiça José Eduardo Coelho Corsini, o Advogado Manoel Pedro Silveira Castanheira na assistência à acusação e a Defensora Pública Tatiana Kosby Boeira.

Os fatos

O episódio que originou a acusação aconteceu na noite de 7/11/13, no Bairro Lindóia, em Porto Alegre. Conforme a denúncia do Ministério Público, Moojen Neto, utilizando álcool, ateou fogo ao apartamento e à mulher e, depois, a jogou pela janela do apartamento do prédio na Avenida Panamericana. A razão para o ataque seria a inconformidade do homem com o fim do relacionamento e sentimento de posse.

Na sequência, o fogo e a fumaça, alastrando-se pelo imóvel, provocaram a morte das duas crianças, que adormeciam. A terceira vítima fatal foi um vizinho. O idoso, na intenção de acudir, desfaleceu nas escadas, a caminho do apartamento em chamas.

Acusação

Moojen Neto respondeu por: um homicídio qualificado tentado (emprego de fogo e recurso que dificultou a defesa da vítima) e três homicídios qualificados consumados, com as mesmas qualificadoras. Como agravantes, ainda, o crime praticado contra a mulher, contra pessoas menores de 14 anos e maior de 60 anos.

EXPEDIENTETexto: Márcio DaudtAssessora-Coordenadora de Imprensa: Adriana Arendimprensa@tj.rs.gov.br 

Publicação em 04/09/2019 19:07Esta notícia foi acessada 167 vezes.

Fonte: Tribunal de Justiça do Estado do do Rio Grande do Sul

© Diligência.com.br
competente, confirma , sentença, indenizar, indenização, turma, mandado de segurança, recorreu da sentença, Conselho Regional, Colegiado, desocupação , Defensoria Pública da União, DPU, Ministério Público Federal , MPF, Advocacia-Geral da União , AGU, Caixa Econômica Federal , CEF, Departamento Nacional de Infraestrutura , DNIT, Departamento de Estradas e Rodagem , DER, DNER, PFE, Data do julgamento, Publicação no diário oficial , Servidores públicos , aquisição de estabilidade, condenação, condena, condenado, recorrente , recorrido, constituição federal, aposentadoria por invalidez, AIDS, portador, cardiopatia, imposto de renda, IR, Fazenda Nacional , apelante, princípios da razoabilidade e da proporcionalidade, união , agravo de instrumento, adicional de férias, polo passivo, interesse processual , processamento e julgamento, pensões e aposentadorias, pensão, aposentadoria, competência, demandante, descumprimento da obrigação, sentença penal , unânime, provimento, aposentadoria especial, tempo de serviço, tempo de contribuição, julgou procedente, autarquia , Instituto Nacional do Seguro Social , INSS, CTPS, impetrante, ajuizamento da ação, serviço especial , ANP