Cumprindo resolução do CNJ, juiz determina expedição de documentos de preso após apuração da origem de seu registro civil e exame de confronto papiloscópico - Notícias - Diligência - Credibilidade em informação jurídica

Notícias

Cumprindo resolução do CNJ, juiz determina expedição de documentos de preso após apuração da origem de seu registro civil e exame de confronto papiloscópico

Jurídicas 14/11/2020
Cumprindo resolução do CNJ, juiz determina expedição de documentos de preso após apuração da origem de seu registro civil e exame de confronto papiloscópico
“Estabelecer procedimentos e diretrizes para assegurar às pessoas privadas de liberdade a emissão de documentos necessários para o exercício da cidadania e ao acesso a políticas públicas, e regulamentar a identificação civil biométrica no Poder Judiciário.” Em decisão no último dia 4, o juiz Rafael Gonçalves de Paula levou a efeito o art. 1º da Resolução 306 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) ao encerrar processo que culminou na identificação civil de um homem que se encontra preso preventivamente em Palmas.
“Que se oficie à Seciju-TO para informar situação do indiciado/acusado e solicitar que, por meio do Escritório Social, sejam adotadas as providências para o acolhimento desta pessoa e a confecção dos demais documentos de exercício dos atos da vida civil”, determinou o magistrado, titular da 3ª Vara Criminal de Palmas, que havia apurado nos autos que não havia sido anexado documento comprovando a identificação do investigado.
Durante análise, o juiz chegou aos nomes dos genitores ouvindo o depoimento do indiciado, descobrindo que seu nome estava registrado no Sistema Nacional de Informações Públicas (Sinesp) e no sistema Eproc, onde o preso tinha três nomes diferentes. Após pesquisa nos cartórios, apurou-se que ele havia sido registrado no cartório de registro civil de Porto Nacional, com o nome que o Instituto de Identificação da Secretaria de Segurança Pública (SSP-TO), após ser acionado, elaborou o prontuário de identificacao civil e expediu a carteira de identidade, documento que o preso não dispunha.
Ainda na sua decisão, na qual elogiou o empenho do Instituto de Identificação, o juiz Rafael Gonçalves de Paula determinou, entre outros pontos, que o Escritório Social da Secretaria de Cidadania e Justiça (Seciju-TO) providenciasse os outros documentos do preso - CPF, Cartão do SUS e Título de Eleitor – e também que se procedesse à correção da autuação em duas ações penais às quais o preso responde.
Texto: Marcelo Santos Cardoso
Comunicação TJTO

 

Fonte: Tribunal de Justiça do Estado do Tocantins

© Diligência.com.br
competente, confirma , sentença, indenizar, indenização, turma, mandado de segurança, recorreu da sentença, Conselho Regional, Colegiado, desocupação , Defensoria Pública da União, DPU, Ministério Público Federal , MPF, Advocacia-Geral da União , AGU, Caixa Econômica Federal , CEF, Departamento Nacional de Infraestrutura , DNIT, Departamento de Estradas e Rodagem , DER, DNER, PFE, Data do julgamento, Publicação no diário oficial , Servidores públicos , aquisição de estabilidade, condenação, condena, condenado, recorrente , recorrido, constituição federal, aposentadoria por invalidez, AIDS, portador, cardiopatia, imposto de renda, IR, Fazenda Nacional , apelante, princípios da razoabilidade e da proporcionalidade, união , agravo de instrumento, adicional de férias, polo passivo, interesse processual , processamento e julgamento, pensões e aposentadorias, pensão, aposentadoria, competência, demandante, descumprimento da obrigação, sentença penal , unânime, provimento, aposentadoria especial, tempo de serviço, tempo de contribuição, julgou procedente, autarquia , Instituto Nacional do Seguro Social , INSS, CTPS, impetrante, ajuizamento da ação, serviço especial , ANP